A carga de trabalho aumentou e o bem-estar diminuiu?

Atualizado: há 7 dias

A Harvard Business Review lançou um artigo que nos mostrou o impacto da pandemia do novo coronavírus no aumento do nível de estresse no ambiente de trabalho. Se a escola já era um local para mantenedoras apagarem incêndios, nesse momento, isso se intensificou.


A carga de trabalho aumentou e o bem-estar diminuiu?

Uma nova pesquisa, publicada na Harvard Business Review, feita com cerca de 1.500 entrevistados de 46 países, revelou que a maioria das pessoas está numa luta ainda mais intensa contra o estresse na vida pessoal e no ambiente de trabalho à medida que a pandemia do novo coronavírus continua.


Essas lutas estão afetando nossa saúde mental e envolvem alguns dos principais preditores da síndrome de burnout (também conhecida como “síndrome do esgotamento profissional”, é um distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema, sempre relacionado ao trabalho de um indivíduo), incluindo uma carga de trabalho insustentável, a ausência de uma comunidade de apoio e a sensação de que você não tem controle sobre sua vida pessoal e também sobre as questões profissionais.


Liderado por uma equipe de pesquisadores - Jennifer Moss, Michael Leiter, Christina Maslach e David Whiteside -, o estudo faz parte de um projeto maior que visa medir as taxas de burnout nas pessoas durante a pandemia da covid-19. Em grande parte, os entrevistados relataram declínios na saúde mental, desafios com o cumprimento das necessidades básicas e sentimentos de solidão e isolamento. Eles também observaram o aumento das demandas de trabalho e o crescente desengajamento dos funcionários. Um desafio e tanto para todos os mercados!


Nas escolas isso também não foi diferente. Segundo a União pelas Escolas Particulares de Pequeno e Médio Porte, 30% a 50% das instituições de ensino correm o risco de falir nesse momento de pandemia. Com essa tensão instaurada, adicionada a incertezas sobre a volta às aulas e à necessidade de trabalhar de uma maneira jamais vista em todo o setor, com novas demandas, responsáveis aflitos e a taxa de inadimplência em níveis altíssimos, a rotina dos mantenedores e gestores escolares passou a ficar ainda mais estressante e turbulenta na escola.


Abaixo, estão algumas descobertas importantes. Confira citações de pessoas que foram entrevistadas nessa pesquisa e falaram sobre o declínio no seu bem-estar geral, em função, principalmente, do aumento das demandas de trabalho.



"Quando nos deslocamos para o trabalho, havia uma sensação de que poderíamos terminar as tarefas naquele dia. No estado atual não há nada disso, como meu empregador costuma dizer: ‘Sabemos onde você está.’ Esta situação criou uma movimentação constante com uma incapacidade de desacelerar. Admito que posso passar mais tempo com minha família, o que compensa isso, mas ainda é desafiador." — Homem de 42 anos que trabalha como funcionário de serviços.


"Embora meu bem-estar geral esteja basicamente bem, tenho dias em que me sinto mais sem rumo ou sem amarras. Não tenho mais certeza se estou trabalhando para o mesmo objetivo que meus colegas. Estamos todos seguindo na mesma direção? Estamos apenas fazendo o nosso melhor para manter nossas cabeças acima da água, e talvez isso seja suficiente? Mas há sempre essa sensação persistente de: 'O que você conseguiu hoje, esta semana, este mês?' de liderança que cria pressão para manter a mesma produtividade." — Mulher de 38 anos que trabalha como gerente de administração pública.


É possível notar semelhanças entre as menções acima e a situação do setor educacional. A demanda de trabalho também apresentou grandes transformações no ambiente escolar. Afinal, mantenedores, gestores, corpo docente e alunos precisaram implementar e se adaptar a um modelo educacional nunca feito antes, em toda a história. Aulas seguiram de forma remota, houve a necessidade de mudar a maneira de manter contato com os responsáveis e também de seguir acompanhando o desenvolvimento das crianças e adolescentes, mesmo que de longe.


Além disso, por conta da queda do faturamento em grande parte das instituições de ensino, principalmente no segmento de Berçário e Educação Infantil, muitas escolas sentiram a necessidade de reduzir seu quadro de funcionários, para assim evitar um prejuízo ainda maior à sua saúde financeira e evitar ao máximo o risco de falência. Com isso, a demanda de trabalho aumentou. Mantenedores tiveram que “apagar ainda mais incêndios”, cuidando integralmente da gestão financeira, pedagógica, administrativa, Recursos Humanos, entre muitas outras funções.


Outros pontos sobre o estado da sua saúde mental durante a pandemia do coronavírus também foram apontados pelos participantes da pesquisa publicada pela HBR. Como eles declararam, a separação entre a vida profissional e a vida pessoal desapareceu enquanto as cargas de trabalho e as horas aumentavam.


"Minha saúde mental se deteriorou significativamente. Lidar com a ansiedade e a preocupação generalizadas durante esta pandemia ocupa muita largura de banda; precisar trabalhar isso significa que estou gastando mais energia do que o normal para gerenciar o barulho na minha cabeça. É cansativo. Estou muito cansado para malhar, estou muito cansado para o FaceTime com amigos ou família, estou muito cansado para cozinhar refeições saudáveis." — Mulher de 36 anos que trabalha como gerente de Fabricação.


"Não há semelhança de equilíbrio ou separação. Agora meu trabalho está literalmente na minha sala de estar e minha paternidade está acontecendo no meu ‘escritório’, que é a mesa da cozinha. Os papéis colidem, e isso torna uma situação quase cômica - tendo reuniões importantes do chão do meu armário, enquanto minha filha me passa notas debaixo da porta dizendo que ela precisa de um lanche." — Mulher de 36 anos que trabalha como diretora de Educação.


"Tudo parece uma correria. Há mais pressão para produzir, e ninguém respeita os limites do tempo. Os e-mails começam às 5h30 da manhã e não terminam até as 22h, porque eles sabem que você não tem para onde ir. Para pessoas solteiras sem famílias, é pior, porque você não pode dizer: 'Eu preciso ir cuidar dos meus filhos'." — Mulher de 36 anos que trabalha com Marketing.


Com a preocupação e o medo de falência nas instituições de ensino, a saúde mental de toda a equipe foi impactada. Gestores e professores sentiram a necessidade e toda a pressão para se reinventarem com a programação de aulas online, para assim seguir engajando os responsáveis e os alunos.


Vale mencionar que, na pesquisa, a tecnologia, e especificamente o aumento das reuniões virtuais, também foi um desafio para algumas pessoas. Ou seja, pode-se analisar que foi um comportamento do “novo normal” que afetou a atuação de profissionais de diferentes áreas.


Porém, também houveram contrapontos no estudo. Apesar de ser minoria, uma parcela dos entrevistados viu o bem-estar relacionado ao trabalho melhorar. Entenda:


"Eu tive que ser criativo sobre como relaxar e recarregar em casa, o que realmente ajudou no meu equilíbrio entre vida profissional e profissional." — Mulher de 37 anos que trabalha como gerente de Fabricação.


"Eu passei de estar no escritório 45 horas por semana para estar em casa o tempo todo. Eu não tenho mais que dirigir para reuniões em toda a área metropolitana, e eu conduzo negócios do meu escritório. Eu perdi peso, estou comendo de forma mais saudável, e tenho mais tempo com a família." — Mulher de 64 anos trabalhando como gerente em uma organização sem fins lucrativos.


Como outro ponto positivo, a quarentena também foi um período do nascimento de uma grande ideia para o setor educacional, que chegou para transformar a gestão escolar num processo tão simples que toda escola pode ser parte do amanhã.


isaac, seu novo parceiro em Gestão Escolar do futuro, chegou para proporcionar mais facilidade e tranquilidade para o dia a dia de mantenedores e gestores escolares.


Com isaac, a gestão da sua escola se torna incrivelmente simples. São muito benefícios: garantimos a sua receita mensal sem atrasos, você sempre tem dinheiro em caixa para reformas e pagamentos de fornecedores, não precisa mais se preocupar com a inadimplência e, ainda, fica longe da burocracia e do estresse, tendo mais flexibilidade e disponibilidade para atender alunos, responsáveis e docentes. Ou seja, isaac garante mais tempo para você focar no que realmente importa: educar.


Gestão escolar incrivelmente simples com isaac

Demais, não é mesmo?


Sua escola também merece fazer parte da Gestão Escolar do Futuro. Para saber mais, é simples: clique aqui e agende uma conversa com nosso time.


Vamos juntos reescrever o futuro da Educação!


Aproveite para ler e adquirir novos conhecimentos para potencializar a gestão da sua escola:


. Gestão do Tempo para Gestores Escolares

. Quais os fatores essenciais para uma Gestão Escolar de Sucesso?

. 5 tendências da Gestão Escolar para 2021

. E-book 2021 - O futuro da Gestão Escolar - faça o download aqui


102 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo